ciência

Caçadores-coletores trocavam pedaços de anel entre amigos há 6 mil anos

11views
Imagens dos fragmentos de anéis, com 5 cm de diâmetro, achados (Foto: Marja Ahola)

Imagens dos fragmentos de anéis, com 5 cm de diâmetro, achados (Foto: Marja Ahola)

Em algum momento da sua vida, você já deve ter tido algum objeto que representasse sua amizade com alguém próximo. Aparentemente, não é de hoje que temos esse comportamento. Ao que tudo indica, há 6 mil anos, nossos antepassados usavam adereços semelhantes. Analisando fragmentos de anéis de ardósia, pesquisadores das Universidades de Helsinque e de Turku, ambas na Finlândia, acreditam que os objetos eram usados como símbolo de relações sociais.

A pesquisa, publicada no dia 12 de março no periódico Journal of Archaeological Method and Theory, analisou a composição geoquímica e de raio-X fluorescente de cerca de 65 fragmentos de anéis, muito provavelmente fabricados na Idade da Pedra (2000 a.c).  Com a análise foi possível identificar que a fragmentação do adereço não ocorreu acidentalmente – algo muito comum com objetos antigos, pois podem sofrer erosões e danos durante o tempo –, mas sim propositalmente.

Uma segunda informação pode ser retirada a partir da fluorescência do raio-X. Foi possível descobrir que as joias foram importadas da região do Lago Onega, na Rússia, há centenas de quilômetros do local onde foram encontrados. Essas informações aparecem após a comparação de concentrações elementares dos objetos com as descobertas publicadas em um conjunto de dados internacionais. Os resultados da comparação indicam que os ornamentos eram produzidos em vários lotes na Rússia e, provavelmente, em diferentes locais por vários fabricantes.

Um fator que chamou a atenção dos pesquisadores foi de que fragmentos do mesmo ornamento foram encontrados em dois sítios diferentes, em um local de sepultamento e outro de aterramento. E, muito provavelmente, eram usados por ​​dois indivíduos diferentes, uma vez que um dos fragmentos estava mais polido do que o outro.

“Esses fragmentos do mesmo objeto podem mostrar a impressão da mão e as preferências dos dois indivíduos. Talvez eles usassem os ornamentos como símbolo de uma conexão estabelecida”, reflete, em nota, a pesquisadora de pós-doutorado Marja Ahola da Universidade de Helsinque.

Os possíveis donos dessas pequenas partes de anéis aparentam ser um grupo de caçadores-coletores da Idade da Pedra, provavelmente associados à cultura de cerâmicas denominadas Typical Comb Ware. O local onde essas pessoas habitavam é incerto, contudo, a área de distribuição e de achados arqueológicos do bando abrange grandes regiões do noroeste da Rússia moderna, Finlândia e Estados Bálticos.

Além de serem achados dentro de um local de sepultamento, esses fragmentos foram descobertos junto de pingentes de âmbar e dentro de ocres espessos, os quais eram muito utilizados em sepultamentos de cadáveres há 6 mil anos. Esse conjunto de informações levaram a uma segunda hipótese: a de que esses ornamentos seriam destinados para alguma crença mortuária do grupo, como se expressasse uma ligação entre o mundo dos mortos e os dos vivos.  

“Esta é também a primeira conexão material clara entre um determinado local de residência e um local de sepultamento. Em outras palavras, as pessoas que moravam lá provavelmente enterraram seus mortos em um local próximo a eles”, comenta, em nota, Ahola.

Uma outra informação que captou a atenção dos pesquisadores foi a de que esses anéis se diferenciavam dos outros adereços da época. Esses ornamentos anelados são mais arredondados, possuem uma seção transversal oval e não há qualquer decoração adicional na peça. Algo que, para os adereços de 6 mil anos atrás, era incomum.

Naquele tempo, os ornamentos eram mais quadrados, tinham uma seção transversal quadrada e bordas decoradas. Além disso, entre os 65 achados há diferenças de tamanhos. Os menores anéis têm diâmetro de 3 centímetros, enquanto os maiores podem chegar a 15 centímetros. Os de maior diâmetros possivelmente eram destinados a serem usados ​​em um cordão ou costurados em roupas.